20 fevereiro 2012

lembro-me do portão que fechava mal

lembro-me do portão que fechava mal. dos dias em que não havia água quente. tentámos montar uma bilha do gás mas em vão. tu a dizeres-me para ter cuidado com as pedras para não cair. lembro-me das velas espalhadas pela cómoda. aos pés do colchão. lembro-me da janela que deixava entrar a chuva. da casa de banho com as lagartinhas no chão. lembro-me das tuas sabrinas quando abrias a porta. lembro-me de comermos torradas e leite com café. lembro-me dos teus olhos. e das tuas unhas. e das mãos e de tudo em ti. e do teu cheiro. e de tudo. do cheiro da tua cona molhada. do sabor. dos teus pés. dos teus seios lindos. da tua pele branca. dos teus dentes. do teu cabelo. de tudo.
lembro-me de andar contigo de mão dada por Lisboa. da tua cintura suave. de andarmos anca com anca. e de rirmos por isso. lembro-me. ficou a saudade de ti. e o amor incondicional.

3 comentários:

Utena disse...

Recordações têm esse lado emotivo

Beijo

borboleta disse...

Confesso que uma lágrima caiu inesperadamente ao ler o que acabei de ler...acompanhada de um sorriso saudoso e nada triste, apesar de tudo. Reviveste tudo. Revivi tudo. Tão real. Foi mesmo assim. E guardo-te. E tanto podia dizer, mas guardo :)

Obrigado *

o guardador disse...

utena: e racional...
my butterfly: és linda...! smile