02 junho 2011

Golpe de Rins

Tenho um bom golpe de rins. E quando falo em ter um golpe de rins falo em encaixar bem o golpe que me disferem. Quando estou a contar ou não. Tenho lido muita coisa ultimamente sobre as pessoas sentirem-se injustiçadas, incomodadas pela vingança desta ou daquela pessoa. Em pequenas coisas. Eu não sou vingativo, já o disse. Mas não esqueço. E perdoo. Há somente uma pessoa no mundo a quem não perdoo e nunca irei perdoar, e perdoem-me vocês, não o irei escrever por motivos pessoais. De resto, sou um coração de manteiga. Muitas pessoas, que não me conhecem, tão bem como outras podem pensar, e estão no seu direito, que sou um tipo frio, calculista, a bem dizer mau. Mas eu sou do mais bonzinho que podem conhecer. Sou bonzinho mas não sou parvo, embora estúpido, por vezes. Não sou perfeito.
Ah! Esquecia-me que também não me perdoo, de algumas coisas que fiz. É verdade, sou a segunda pessoa a quem não perdoo. Podem dizer que tenho que perdoar, e aprender com os erros. Verdade. Mas eu sou complicado. Estranho, é a palavra. E perguntam vocês... em que casos não me perdoo? Nos casos onde Eu, faço os outros sofrer. Eu com as minhas acções. 
E agora "the other side of the mirror". "The others". Tento entender as acções das pessoas, e quando não entendo, tento encontrar uma explicação lógica, que não inclua a maldade, o egoísmo, nem a pura sacanice. E quando chego a essa terrível e ás vezes inevitável, conclusão, só me apetece " partir coisas", como eu costumo dizer. Acredito no bom das pessoas, nunca no mau. E se o vejo, fujo a sete pés dele!

4 comentários:

Shiver disse...

Gostei do texto.
Acho é que se calhar depositas esperança demais no ser humano :D

Benedita disse...

Não é fácil sermos seres racionais...
Digo eu, que tenho essa dificuldade.

o guardador disse...

Shiver: Se calhar... mas continuo a ter esperança :)

o guardador disse...

Benedita: Nada fácil. Eu quando sou racional, normalmente vou contra o que sinto. Ás vezes tem que ser*