29 maio 2011

O meu caminho...

Trilho um caminho que não é nada fácil. Neste fim de semana, tirei uns minutos para mim, longe de todos. Coisa que costumo fazer geralmente, para me dar a oportunidade de "pensar". Um jardim, com uma fonte. E muitas árvores que me envolviam. De copo na mão, e um cigarro na outra. O jardim curiosamente tinha a forma de um círculo. Caminhei por ele, com algumas ideias do que se passa em mim. Curiosamente, tudo o que pensei até agora bate certo com as minhas acções. Coisa rara. E não é fácil. Mas é o que tem que ser. Tenho que ser forte, e superar o resto. Surpreendo-me com esta minha auto-consciência de mim mesmo e dos outros. Com esta minha força que não sabia ter. Mas faz sentido. Todo o sentido. Tudo o que escrevi nos últimos meses, faz sentido. Até agora estou a aguentar como um bravo. Insignificante adjectivo, para mim. E vou pelo caminho que escolhi, pela "via dolorosa". A cruz pesa, mas que pela sua justeza, o peso parece que não existe. Apesar disso, existe em mim o medo de colher o fruto proibido, de ser o ladrão sem ou com ocasião. Não gosto de magoar, nem de desiludir. Não sei o futuro. Sei que o que tiver que ser será.

Não é fácil escrever sobre tudo isto. Nada é fácil. Mas se não fosse difícil, não tinha tanta piada.

3 comentários:

Shiver disse...

Let the force be with u my friend :D

Marta disse...

Há que ser frontal com o que sentimos e às vezes pegar o touro pelos cornos!
Tu és forte, isso nós sabemos, tu é que tinhas dúvidas ;)

o guardador disse...

Shiver: obrigado pela força. ás vezes encontramo-la, quando já nada parece fazer sentido. e é essa força que me ajuda quando parece estar tudo perdido.

Marta: com os meus sentimentos eu sou frontal. lidar com eles... ui... como já escrevi... penso também nos outros. a cena do yin-yang and so on... :)